domingo, 28 de março de 2010

Desmitificando a gripe H1N1

GRIPE H1N1 – FRANCISCO PAZ –DIRETOR VIGILÂNCIA SANITÁRIA DO RS

"Esse e-mail que está circulando sobre a vacinação contra Influenza H1N1 é falacioso e nocivo à saúde pública brasileira. Entre outras coisas, fala do mercúrio como componente da vacina e outras citações completamente fora da realidade. A verdade é que 300 milhões de pessoas já receberam a vacina no Hemisfério Norte, sem efeitos colaterais consideráveis. Aconteceu alguma coisa similar a esse e-mail na época da campanha rubéola. Havia um e-mail apócrifo dizendo que o Governo pretendia esterilizar todas as pessoas em idade reprodutiva, justamente o segmento coberto por aquela imunização. Felizmente a campanha foi um sucesso e o Brasil está prestes a receber o certificado de País Livre da Rubéola e da Síndrome da Rubéola Congênita. Graças às campanhas de imunização o Brasil já está também livre da Poliomielite e da Varíola. Essas ‘teorias da conspiração” têm o único propósito de provocar pânico e prejudicar as campanhas de imunização. O Ministério orienta que quem receber esse e-mail deve responder à origem e aos destinatários copiados de que se trata de informação irresponsável e prejudicial à saúde pública brasileira. Veja as respostas a algumas citações que podem deixar as pessoas em dúvida. As pessoas devem buscar orientação pelos canais oficiais. Nesse caso, o Ministério da saúde- www.vacinacaoinfluenza.com.br e www.who.int, da OMS - Organização Mundial da Saúde.

A vacina contém mercúrio? Não. A vacina não contém mercúrio em sua composição.

A vacina contém esqualeno, substância que afeta o sistema imunológico do indivíduo? A empresa Sanofi Pasteur, parceira do Instituto Butantan, utiliza esqualeno como componente de um de seus adjuvantes. Mas é importante lembrar que o esqualeno, ao contrário dos mitos que surgem a respeito desta substância, é retirado do fígado do tubarão e assemelhados. O esqualeno é um super complemento alimentar, assim como o óleo de fígado de bacalhau e a emulsão de Scott.

A vacina contém células cancerígenas de animas, que podem provocar a doença nos humanos? A vacina não contém células animais em sua preparação final e muito menos células cancerígenas.

As indústrias farmacêuticas receberam imunidade judicial quanto a qualquer ação ocasionada por efeitos da vacina, como morte e invalidez? O Ministério da Saúde não assinou nenhum termo de imunidade judicial com nenhuma indústria ou empresa. As empresas são responsáveis pelos seus produtos.

Apenas uma dose da vacina não imuniza a pessoa! Todas as evidências e estudos confirmam que uma dose de 7,5 microgramas ou mais de vacina, protege contra a Influenza H1N1? Nas crianças de 6 meses até menores de 2 anos, a vacina é aplicada em duas ½ doses para maior segurança da saúde da criança.

O Timersol, presente na vacina, pode causar autismo em crianças com disfunção mitocondrial e em adultos com disfunção hematoencefálica? A vacina não causa autismo. E o Timersol usado na concentração utilizada para a conservação da vacina, não provoca danos ao ser humano.

A Influenza H1N1 é uma criação de laboratório para enriquecer a indústria farmacêutica? Não há nenhuma evidência quanto a estas especulações. Em todas as novas doenças e novos vírus que surgem pelo mundo, surgem também, em contra partida boatos semelhantes, que não favorecem em nada no combate às doenças, assim como na tentativa de diminuir os danos causados por elas, na população.

A pessoa pode ter uma anafilaxia, reação alérgica, potencialmente fatal, após tomar a vacina? Essa reação pode ocorrer em casos muito raros. Mas é importante observar que a anafilaxia pode acontecer na aplicação de qualquer vacina. Não é uma reação exclusiva da Influenza H1N1. A vacina é contra-indicada a quem tem alergia a ovo.

A vacina provoca a síndrome de Guillain-Barré? Não há evidências da síndrome de Guillain-Barré, decorrentes da vacina de Influenza H1N1, desde o ano passado. Assim como não há evidências da ocorrência de Guillain-Barré desde o início da vacinação contra Influenza Sazonal, a gripe comum. O único início encontrado desta doença, ocorreu em 1976, nos Estados Unidos.

As vacinas compradas pelo Brasil fazem parte de produtos que ficaram encalhados em outros países? As vacinas adquiridas pelo Ministério da Saúde são produtos com registro na Anvisa. Os lotes adquiridos estão dentro do prazo de validade. As compras das vacinadas foram negociadas no final do ano passado e estão sendo entregues ao Governo Brasileiro, de acordo com cronograma combinado, independente da situação dos outros países.

A vacina pode causar danos, como malformação ao feto, em grávidas que se vacinarem?

Não há qualquer relato ou evidência de malformação fetal em decorrência da vacina contra Influenza H1N1.

A vacina provoca paralisia dos nervos?

Não há qualquer evidência de que a vacina contra Influenza H1N1 provoque qualquer tipo de paralisia. "

*******
Achei interessante dividir com vocês esse e-mail que recebi do HUSM, ajudando a esclarecer os mitos que se formaram sobre a vacinação da H1N1. Conversando com amigos da área de saúde e  que já fizeram a vacina, todos dizem ter sentido algum tipo de reação, sintomas de uma gripe, mas que passaram em poucos dias. Não se sabe de nenhuma reação mais grave, ao menos em nosso meio. Um e-mail que circula por aí falando absurdos da vacinação, não tem fundamentação real. O que sabemos e de onde podemos confiar são as  informações oficiais dos órgãos de saúde, esse vírus foi responsável por muitas vítimas no ano passado, agora temos uma vacina, segura, testada e um medicamento o  Tamiflu que é o nome comercial do oseltamivir, um remédio que inibe a replicação do vírus influenza, e serve para tratar a doença.

Ou seja, temos a  vacina que serve para prevenir e o  Tamilfu serve para tratar o que não foi prevenido.

Um comentário:

emerson disse...

A vacina contém sim mercúrio, na forma de timerosal. Bem se vê que estão escondendo algo afirmando sumariamente que a vacina não contêm mercúrio. O esqualeno é 50% mercúrio.

Opiniões de profissionais altamente qualificados sobre o vírus e a vacina

A imprensa e as "autoridades" da saúde neste momento tentam defender a vacinação contra a gripe suína, qualificando como rumores e teorias da conspiração informações que estão assolando a internet, no momento em que o Brasil começa uma vacinação em massa a qual deve cobrir mais da metade da população do país.

Para dar mais conteúdo a esta montanha de desinformação, leia abaixo as opiniões de profissionais altamente qualificados sobre o vírus e a vacina (com todas as referencias e fontes).

http://www.anovaordemmundial.com/2010/03/opiniao-de-profissionais-altamente.html

Aqui uma pequena amostra:

Kent Holtorf, médico e doutor

Qualificações: Médico, doutorado em medicina pela Universidade de St. Louis e especialista em doencas infecciosas.

"Eu me preocupo mais com a vacina do que com a gripe suína"

"Timerosal tem mostrado ser causa de autismo em crianças com disfunção mitocondrial"