terça-feira, 27 de novembro de 2012

Complexidade

Complicamos o simples, fatiamos o inteiro até encontrar a parte defeituosa, de perto nada é perfeito. Seria tão simples apenas ser, andar e viver. Por que procuramos o sofrimento, como se a felicidade fosse culposa,  indigna. Tudo tão igual, e a mesma busca, pela utopia do que queremos ser. Quero a paixão e a razão de mãos dadas, a paixão a me motivar e a razão para me amar. Só o amor já não me basta, só a paixão não me seduz.

Nenhum comentário: