terça-feira, 7 de agosto de 2007

Na Capital

Passei a noite viajando, a temperatura dentro do ônibus estava boa, mas eu viajei com receio, com uma sensação ruim, não conseguia dormir, parecia que algo em mim não me deixava desconcentrar dos ruídos do ônibus, queria estar alerta. Felizmente cheguei em paz, comprei a minha passagem para a volta, esperei numa fila de quase uma quadra para pegar um táxi, fui para o hotel e ainda consegui relaxar um pouco. O curso, está de bom a regular, muitas coisas são ressaltadas, de grande importância, a máquina de café da DPM é tudo de bom, queria levá-la para casa. O centro de Porto Alegre não foi criado para pessoas como eu, acho tudo muito tumultuado, barulhento, ninguém vê ninguém, mas eu vejo coisas que são capazes de apertar o meu coração pelo resto do dia; em fevereiro quando fiz outro curso, havia uma índia morando com os filhos aqui na Andradas, era uma menina e um bebê, lembro que eu saía do hotel e passava por ela, chegava a noite e eles estavam no mesmo lugar, com suas poucas coisinhas, e alguma comida que ganhavam, hoje 6 meses depois, reconheci a mesma índia, a menina e o bebê que já caminha, praticamente no mesmo local, o cheiro ao redor é quase insuportável, o pior é que tanta gente passa e segue seu caminho, inclusive eu, estou no hotel, ar condicionado ligado, casaco, me sentindo culpada, cheia de indagações sobre a raça humana, mas aqui quentinha, e me sentindo impotente, diante de um mundo tão estranho, me recuso a achar isso normal. Sei que não vou mudar o mundo sozinha, mas gostaria de fechar os olhos e ao menos sonhar, com um mundo ideal, onde as pessoas pudessem ser sinceras, umas com as outras, onde não ficassemos com medo de estender a mão, onde não fosse necessário aos pobres de espírito, gastarem seu tempo tentando derrubar os outros para se sentirem melhores.

2 comentários:

Vivi disse...

Oi amiga
Seu texto mostra uma inquietude espiritual...De certa forma te entendo...Cada fez que vou a Port é complicado...Mas muitas vezes nem preciso sair daqui, para me sentir assim...

Vivi disse...

Eu de novo...
Só para te deixar um abraço.
Um carinho...
Dizer que amo vc, nossa amizade...Que és especial...Que eu vejo isso e tenho certeza....