quinta-feira, 10 de junho de 2010

Que tal relaxar?

Em nossa listinha mundana de prioridades, quais ocupam  a base de nossa pirâmide pessoal? Seria qualidade de vida, bem estar nas relações interpessoais, boa alimentação, lazer, ou quem sabe estamos pendendo mais para uma base no dinheiro, no poder ficto das aparências? Nosso cotidiano é programado conforme nossa vontade, ou conforme nossa ânsia de parecer, de ter? É saudável a busca pelos nossos objetivos, todos queremos e lutamos por algum dinheiro, algum status, alguma forma de poder. O perigo está em não limitar nossos atos diários. Reações exageradas, impensadas, onde o ego, apenas o ego grita, urge, exala pelo corpo, transformando aquele que seria o melhor vizinho, melhor profissional, melhor amigo, melhor pai, em um ser absolutamente desprezível. Atingir um único objetivo, nem sempre vale os estragos que se farão no caminho. O  ter e o poder não merecem, ficar acima do "ser", não somos obrigados a estar todos os dias felizes, nem a beber e dançar porque os bem sucedidos o fazem. Será que sempre foi assim? Estamos num tempo onde, há uma certa obrigação em parecer bem, em fazer sucesso, melhor ainda se teve  um passado de privações. Histórias de tudo que foi deixando em prol de um ideal são lindas. Acho louvável e ótimo buscar o que queremos, apenas sou contra essa obrigação de ser o melhor, o que aparece mais, o invejado. Por que não podemos ir sendo felizes, enquanto caminhamos, é impossível sorrir se você ainda não tem o emprego dos sonhos? Todo mundo tem alguma limitação, sempre vai ter alguém em melhor e alguém em pior situação que a sua, sempre. O meu blog não precisa ser o mais acessado, quem ler esse texto não precisa concordar, o Brasil pode ganhar ou perder a Copa, as tantas outras coisas que envolvem a minha vida continuarão aí. A única coisa que nos acompanha quando fechamos os olhos para dormir é nossa consciência tranquila, "vivi hoje de acordo com minha mente e meu coração". Se estou em paz, já tenho qualidade de vida, então, chegarei a todo o resto, sem pressa, sem obrigação, ao seu tempo. Espero um dia alcançar todos os meus objetivos e olhar para trás e dizer: - como fui feliz, como conheci pessoas fantásticas, como vivi cada momento, aí sim, estarei tão feliz quanto já sou!

Um comentário:

Brasileiro nativo disse...

Concordo com o conteúdo do texto.